sábado, 10 de abril de 2021

Polícia encontra plantação de maconha entre pés de milho e feijao no Maranhão

Uma plantação com dezenas de pés de maconha foi encontrada por policiais militares, nessa quinta-feira (8), no povoado Centro do Meio, na cidade de Conceição do Lago Açu, a 315 km de São Luís. A plantação, que estava escondida entre pés de milho e de feijão, era de uma senhora, de 67 anos.

Na casa da idosa, identificada como Maria de Fátima, os policiais encontraram em um dos quartos várias sacolas com droga e no quintal havia plantação de maconha. O esposo da idosa, identificado como Raimundo Nonato, conseguiu fugir.

Maria de Fátima foi levada para a Delegacia Regional de Bacabal e declarou que tinha emprestado o terreno para terceiros plantarem milho e feijão como também alegou que essas pessoas que seriam responsáveis pela plantação da maconha.

Abraji registra aumento de ataques a jornalistas no primeiro trimestre de 2021

Abraji registra aumento de ataques a jornalistas no primeiro trimestre de 2021

O monitoramento de violações à liberdade de imprensa, realizado pela Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), registrou um aumento de alertas no primeiro trimestre de 2021, em comparação com o mesmo período de 2020.

De janeiro a março deste ano foram identificados 73 ataques a meios de comunicação, jornalistas, comunicadores e imprensa de modo geral contra 53 no primeiro trimestre do ano passado.

O crescimento de 38% reforça a escalada da violência contra comunicadores no país, fato já apontado em outros monitoramentos de organizações da sociedade civil. A previsão é de que esses números sejam superados mais uma vez em 2021.

Em março, completou um ano da chegada da pandemia ao Brasil, período marcado por ataques a profissionais de imprensa no exercício de sua função. Além do ambiente de hostilidade enfrentado por jornalistas em todo país, o risco sanitário foi um desafio a mais enfrentado por esses profissionais que desempenham atividades essenciais no combate à pandemia.

O monitoramento da Abraji lista agressões e ataques, restrições de acesso à informação, processos judiciais, uso abusivo do poder estatal e restrições na internet.

Os discursos estigmatizantes – em que autoridades públicas descredibilizam a imprensa publicamente – seguem como o indicador mais comum nos ataques à imprensa no país.

O acompanhamento do ambiente hostil contra comunicadores e jornalistas é realizado em parceria com a rede Voces del Sur, que desenvolveu uma metodologia regional para acompanhar as violações à liberdade de expressão e de imprensa em 13 países da América Latina e do Caribe, segundo os parâmetros da Agenda 2030 da ONU para o Desenvolvimento Sustentável.

O segundo trimestre de 2021 começou com mais registros de alertas. Em Roraima, a Polícia Civil investiga uma ameaça de morte a Diego Santos, apresentador do programa Verdade no Ar, da TV Norte Boa Vista, afiliada do SBT no estado. Em 01.abr.2021, o jornalista se surpreendeu ao abrir a caixa de correio de sua casa e encontrar um bilhete e duas balas de calibre 380.

O apresentador acredita que a ameaça tenha sido motivada por seu trabalho no programa Verdade no Ar, que denuncia irregularidades do poder público e de facções criminosas em Roraima. A polícia segue investigando o caso.

Ex-vereador é morto a pauladas dentro de casa em São Luís Gonzaga

O comerciante e ex-vereador Francisco Gomes Pereira, conhecido por Chico Gomes, foi covardemente assassinado a pauladas nesta madrugada de sexta-feira (09/04), dentro de sua residência, em São Luís Gonzaga do Maranhão.

De acordo com os relatos, o crime teria características de latrocínio, que é o roubo seguido de morte.

Ainda de acordo com as informações, a dupla suspeita de cometer o bárbaro crime, um homem e uma mulher já foram presos pela polícia.

O clima é de tristeza, consternação e revolta em São Luís Gonzaga com a morte violenta do ex-vereador Chico Gomes, que já tinha mais de 80 anos de idade.

A qualquer momento mais informações.

Carga ilegal de madeira é apreendida em dois caminhões na BR-316, em Caxias

Os veículos foram escoltados pela equipe até a Unidade Operacional PRF em Caxias. — Foto: Divulgação/ PRF
Os veículos foram escoltados pela equipe até a Unidade Operacional PRF em Caxias. — Foto: Divulgação/ PRF

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu dois caminhões que carregavam ilegalmente madeira cativa no km 585 da BR-316, no município de Caxias, a 363 km de São Luís, nessa sexta-feira (9).

Segundo a PRF, uma equipe da corporação realizava serviço de ronda, quando avistou dois caminhões, transitando em sentido contrário, com característica de estarem transportando madeira.

Diante disso, os agentes abordaram os veículos e o condutor do primeiro caminhão abordado informou aos PRFs que se tratava de lenha. Logo após, foi solicitada a documentação pessoal, do veículo e da carga, tendo o motorista informado não possuir nenhum documento, além de não ter Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

O motorista ainda disse que vinha do Povoado Cupins, perto do Brejinho, sem dar mais detalhes, e que esperaria seu patrão chegar. Após isso, o dono dos caminhões chegou ao local e relatou que comprou a madeira de um senhor que desmatou uma área e que trocaria por tijolos em uma cerâmica na cidade de Timon, e disse que o valor aproximado da carga era de R$ 800.

Os veículos foram escoltados pela equipe até a Unidade Operacional PRF em Caxias. Foi realizada a cubagem da carga de lenha, de origem do bioma cerrado, resultando um total de 15,53m³. Os dois motoristas abordados afirmaram que os veículos e a carga pertenciam ao proprietário presente na fiscalização, sendo que o mesmo declarou que sabia que os homens contratados para o transporte da madeira não possuíam habilitação para dirigir.

Homem é morto a tiros no bairro José Castro em Caxias

Gilmar da Silva Santos, vulgo "Índio", de 36 anos, foi morto a tiros nas primeiras horas deste sábado (10) no bairro José Castro.

O homicídio aconteceu na Rua Nova, mesma rua onde Índio possuia residência. Visivelmente, a vítima apresentava duas perfurações por arma de fogo. Ele foi a óbito no local.

Índio tinha passagem pela polícia. A Delegacia de Homicídios investiga autoria e motivação do crime.

Publicidade

Publicidade